ASTHA: uma ‘startup’ de cursos online na área de saúde

A área de saúde ganha uma nova startup voltada para disseminar o conhecimento com cursos online. A ASTHA – Cursos Especializados em Saúde começa a operar em Porto Alegre na capacitação, aperfeiçoamento e treinamento profissional com professores especialistas. A ideia é oferecer cursos com carga horária pequena, com preços atrativos e projeção de ganho em escala.

Os cursos têm valor que podem variar de R$ 80,00 a R$ 200,00 e ser pagos no site da empresa. Já foram investidos R$ 70 mil na criação da empresa, contratação de uma plataforma Learning Management System (LMS) para o ambiente virtual de ensino e aprendizagem (AVEA), nos canais de divulgação, equipamentos e espaço para gravação das videoaulas.

“A ASTHA iniciou como uma microempresa com cursos presenciais em genética e triagem neonatal (Teste do Pezinho), em 2009, dirigido a estudantes, acadêmicos e profissionais de Enfermagem. Mas o avanço da tecnologia em educação e a proliferação de canais de comunicação permitiu que essa iniciativa mudasse de rumo e se transformasse em uma startup qualificada de educação a distância”, comenta Claus Reuwsaat, diretor administrativo da ASTHA.

Conforme Ana Stela Goldbeck, professora e diretora da ASTHA, o projeto inovador também foi uma incubadora na produção de uma nova experiência como docente. “O aluno online quer informação rápida, concisa e direta, isso muda o paradigma do professor de ensino presencial”, acentua Ana Stela, que de 2012 a 2015 atuou como coordenadora técnica do Programa Nacional de Triagem Neonatal do Ministério da Saúde.

Além do curso Fundamentos Gerenciais em Triagem Neonatal com seis horas/aula, a startup também está oferecendo o ensinamento da Coleta do Teste do Pezinho, com oito horas/aula, o curso Genética, Hereditariedade e Implicações Sociais das Doenças Rastreadas, com seis horas/aula e Aromaterapia Segura na Gestação, com quatro horas/aula.

A ASTHA pretende focar ainda na expansão dos conteúdos oferecidos, pois existe a necessidade dos gestores públicos atuais, de qualquer estado brasileiro, em aperfeiçoar seu quadro de servidores na área de saúde. Para Ana Stela, a startup se propõe a ampliar o acesso ao conhecimento e também colaborar para aprimorar a qualificação profissional já existente. “Buscamos facilitadores com notório reconhecimento profissional para nosso banco de professores. A projeção é chegar ao final do ano com cinco novos cursos oferecidos. Estados do Norte do país já nos procuraram para contratar os cursos existentes para qualificar os profissionais da rede de atenção básica em saúde”, comenta.

Fonte: https://agoranors.com/noticia/economia/acao-empresarial/2018/10/startup-oferece-cursos-online-na-area-de-saude-91532.html

 

AMAMENTAÇÃO: O PAPEL DE RECÉM-PAPAI NESTE CONTEXTO

Identificar as percepções dos papais sobre seu papel no contexto da amamentação permite identificar variações no papel do pai durante este período no contexto familiar: pais devem agir como parceiros na tomada de decisões e devem ser responsáveis pelo funcionamento da família, fornecendo apoio emocional à mamãe. Essas variantes envolvem desafios e tarefas no período pós-parto por parte dos homens, que precisam atuar ativamente junto com a mãe neste momento importante da vida do filho e da própria construção da ideia de maternidade e paternidade contemporâneas.

Quando os homens, recém-pais, querem efetivamente participar desta construção, geralmente percebem que seu papel é bem mais complexo do que o papel limitado de facilitador da amamentação, que na maioria das vezes é atribuído a eles.

Os ‘novos’ pais veem-se como partes interessadas na tomada de decisões relativas à forma como seu filho é alimentado e reagem ao desequilíbrio criado na tarefa da amamentação, ou seja, lidar com a atenção exclusiva que o bebê reserva à nutriz (aquela que nutre/mãe).

O envolvimento dos papais nesta etapa da vida, deve acontecer em vários níveis: com o filho, com o cônjuge e com a família de ambos. Cinco dicas para ser o ‘paizão’ que o mundo atual espera do homem, nesta etapa importante da vida de todos:

  • Os papais devem atuar como partes interessadas nas decisões relativas à amamentação;
  • Os papais devem ficar atentos às necessidades da mamãe e saber como facilitar a amamentação;
  • Os papais têm que tomar iniciativas para desenvolver um relacionamento próximo com seus filhos;
  • Os papais devem expressar apoio emocional à mamãe através de sua presença ou ações.
  • Os papais desenvolvendo um papel ativo na gestação, parto, pós-parto, amamentação e em todas as etapas do desenvolvimento do filho, asseguram ao casal, uma existência compartilhada em direitos e deveres que compõe a paternidade e a maternidade em seu sentido pleno.

Profissionais de saúde, como parteiras, enfermeiras e médicos devem estar na linha de frente no apoio aos papais na gestão desses vários papeis e os desafios que eles implicam.

Fonte: Montigny, Francine et al. The role of fathers during breastfeeding. Midwifery,Volume 58 , 6 – 12.

TODA DEMÊNCIA É ALZHEIMER?

A demência é uma síndrome, ou seja, é um conjunto de sinais e sintomas que são causados por uma série de doenças que afetam o cérebro da pessoa. A doença de Alzheimer é a causa principal e mais comum de demência. Existem dezenas de doenças diferentes que podem causar demência (por exemplo, doença de Huntington, doença de Parkinson, doença vascular). A demência está associada ao envelhecimento, mas não é parte natural do processo de envelhecer.

A demência muitas vezes começa com mudanças cognitivas e comportamentais, mas à medida que ela progride, afetará a pessoa como um todo, inclusive fisicamente. Ela se apresenta diferentemente entre os indivíduos (variação individual), e de forma diferente ao longo de sua trajetória. No início, a demência  apresenta, principalmente,  alterações cognitivas (maneira de pensar, diminuição da memória  e na capacidade de planejamento). Conforme a condição de demência progride, as manifestações físicas começam a acontecer, pois  o cérebro perde várias funções de controle do organismo.

A grande maioria dos casos de demência advindos da doença de Alzheimer é determinada por mutações genéticas ainda desconhecidas. Ter parentes próximos com doença de Alzheimer não é evidência de uma ligação genética, mas pode aumentar o risco de desenvolvê-la. Fatores genéticos e ambientais combinados alteram o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

Mais de 90% de todas as demências ocorre em pessoas com mais de 65 anos de idade. Cerca de 10% de todas as pessoas com mais de 65 tem algum tipo de demência; isso aumenta para cerca 50% nas pessoas com mais de 95 anos de idade. Prevê-se que o número de pessoas com demência vai aumentar três vezes até o ano de 2050, pois a expectativa de vida está aumentando em muitos países, e as doenças degenerativas começam a se impor na agenda da saúde do idoso e passam a figurar como um problema de saúde pública de grande importância.

Fonte: Wicking Dementia Research & Education Centre College of Health and Medicine, University of  Tasmania.  Austrália.   http://www.utas.edu.au/wicking/understanding-dementia

AROMATERAPIA SEGURA NA GESTAÇÃO

A Aromaterapia integra o rol de práticas e recursos terapêuticos da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC, publicada pelo ministério da Saúde na portaria nº 702 de 21 de março de 2018.  A Aromaterapia foi reconhecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) considerando aquilo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) já preconizava, a respeito do reconhecimento e incorporação das Medicinas Tradicionais e Complementares nos sistemas nacionais de saúde.

Adriana Nunes Wolffenbüttel, Doutora em Ciências Farmacêuticas  e autora do livro Base da Química dos óleos Essenciais e Aromaterapia,Ed. Laslo, 2016, explica:

O que é Aromaterapia? a aromaterapia é uma prática que visa estabelecer a saúde e o bem-estar integral, tratando patologias que acometem nosso organismo, desde pequenas aftas a doenças crônicas, também abarcando o cuidado com nossos sentimentos e emoções. A Aromaterapia envolve cuidados preventivos e sintomáticos, incluindo as inúmeras possibilidades de aplicação dos óleos essenciais.

O que são óleos essenciais? por definição, um óleo essencial para que seja considerado como tal, consiste em uma substância volátil 100% natural, extraída de plantas aromáticas. Os óleos essenciais são extremamente versáteis e podem ser explorados e empregados sob diversos olhares e contextos diferentes, revelando um universo singular e surpreendente na terapêutica. A Aromaterapia, portanto, envolve o uso correto e seguro de óleos essenciais 100% naturais, explorando todo o seu potencial curativo.

A abordagem da Aromaterapia é igual em todos os lugares? ao longo da história a Aromaterapia se dividiu em dois sistemas: a Aromaterapia francesa, que abrange o emprego clínico dos óleos essenciais e seu uso como fitoterápico, e a Aromaterapia inglesa, focada no bem-estar e abordagem holística dos óleos essenciais.

O uso de óleos essenciais é sempre seguro? muitas pessoas desconhecem que o uso de essências naturais ou óleos essenciais necessita ser feito de forma segura, pois existem muitas possuem contraindicações e riscos inerentes à sua composição química. Por isso, é extremamente necessário que os profissionais e as pessoas tenham um amplo conhecimento sobre o que a Aromaterapia de fato é, e o que pode e o que não pode ser utilizado nas terapias em pessoas.

E o uso de óleos essenciais em Gestantes, no pré e pós-parto? em gestantes a segurança ao uso da Aromaterapia deve ser especialmente  considerado. Muitos óleos essenciais apresentam propriedades calmantes, analgésicas, cicatrizantes entre outras, que os indicam para este momento especial na vida das mulheres. Para serem utilizados, existem Protocolos Internacionais que explicam o uso seguro destas substâncias por mulheres durante a gestação e, também na hora do parto. Alguns óleos essenciais, por serem muito concentrados, podem ter efeitos não desejados em gestantes no pré e pós-parto.

INSCRIÇÕES ABERTAS! A Aromaterapia Segura na Gestação e os Protocolos Hospitalares Internacionais,  por Dra Adriana Nunes Wolffenbüttel é um curso online da ASTHA Cursos Especializados em Saúde.

VOCÊ SABE a importância da glândula tireoide em nossas vidas?

Hoje é o Dia Internacional da Tireoide (25/05). Você sabe a importância desta glândula na regulação fisiológica de nossas vidas? Com forma bem parecida com a de uma borboleta, a glândula tireoide é localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão. Reguladora da função de importantes órgãos como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, ela produz os hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina).

Nos recém-nascidos:  Hipotireoidismo Congênito ocorre quando o recém-nascido nasce sem a glândula ou quando ela não estiver apta a produzir seus hormônios, que são fundamentais para o desenvolvimento físico e neurológico do bebê. Para detectá-lo, é realizado o chamado ‘Teste do Pezinho’, que deve ser feito, preferencialmente, entre o terceiro e quinto dia (3º ao 5º) de vida do bebê.

Nas pessoas em outras etapas da vida: as disfunções na glândula tireoide podem acontecer em qualquer etapa da vida e são simples de  diagnosticar:

  • A tireoide atua no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, no peso, na memória, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional.
  • Quando ocorre o hipotireoidismo, o coração bate mais devagar, o intestino não funciona corretamente e o crescimento pode ficar comprometido. Diminuição da memória, cansaço excessivo, dores musculares e articulares, sonolência, aumento dos níveis de colesterol no sangue e depressão também são sintomas de hipotireoidismo.
  • No caso de hipertireoidismo, que geralmente causa emagrecimento, o coração dispara, o intestino solta, a pessoa fica agitada, fala demais, gesticula muito, dorme pouco, sente-se com muita energia, embora também esteja cansada.
  • O reconhecimento de um nódulo na tireoide pode salvar uma vida. Por isso, a palpação da glândula é de fundamental importância. Se identificado o nódulo, o endocrinologista deve solicitar uma série de exames complementares para confirmar ou descartar a presença de câncer.

Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia https://www.endocrino.org.br

 

 

 

 

 

 

 

Educação a Distância (EAD): as Instituições de Ensino tradicionais começam a ir por este caminho.

Não há praticamente nenhum elemento do ensino presencial que a gente não consiga reproduzir com boa qualidade no ensino a distância. Todos os elementos de interação e um bom conteúdo a gente consegue reproduzir por meio da experiência online” – afirma Wilson Marchionati, coordenador acadêmico da pós-graduação em Finanças, Investimentos e Banking da PUCRS, curso oferecido a distância.

O Diretor acadêmico de EAD da Universidade Estácio de Sá, criada no Rio de Janeiro, Flávio Murilo de Oliveira Gouvêa, garante que não há distinção no mercado de trabalho dos alunos que se formam em cursos a distância: “Nós não enxergamos nenhum tipo de diferença sobre a intenção do empregador em acolher um aluno, seja ele oriundo do ensino presencial ou do ensino a distância”.

O secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Henrique Sartori, defende mudanças implementadas pela pasta no último ano para facilitar a abertura de cursos a distância. Segundo ele, a modalidade permite a democratização do acesso à educação superior garantindo oportunidades a estudantes que não têm condições de ingressar no modelo tradicional, seja por falta de tempo, ou por dificuldades financeiras em arcar com os custos das graduações nas instituições privadas.

Ler a matéria na íntegra em:  https://gauchazh.clicrbs.com.br/educacao-e-emprego/noticia/2018/04/enquanto-salas-de-aula-estao-mais-vazias-nas-universidades-ensino-a-distancia-cresce-no-pais-cjfv9y7ao01gj01tggl4qa1ho.html

 

 

Cursos Livres por Educação a Distância (EAD)

De 2010 a 2015, a oferta e a demanda no mercado de educação a distância (EAD) cresceram no ensino superior e nos cursos livres no Brasil. Também surgiram tendências e se consolidaram alguns formatos de conteúdo. Estas estatísticas do mercado EAD mostrarão os rumos que essa modalidade vem seguindo e quais caminhos você pode percorrer com seu projeto. Divulgados pela Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), os números do mercado EAD de cursos livres só registraram crescimento.

Lá em 2010, houve 755 mil matrículas em cursos livres. Passados cinco anos, em 2015, a quantidade quintuplicou, chegando a 3,94 milhões. A diferença de 3,19 milhões de alunos é maior que a população de Brasília, terceira capital mais populosa do país, com 2,9 milhões de habitantes. A oferta de cursos não ficou para trás: de 7.574 para 12.444, aumento de 64%.

FONTE: http://blog.webaula.com.br/mercado/numeros-mercado-ead-2010-2015/?utm_source=ALLINMAIL&utm_medium=email&utm_content=194484437&utm_campaign=5_minutos_de_EAD__Passado_e_presente_da_EAD&utm_term=__.qbv.nm.lsl.w.ytd.g.qh.j.xal.j.x.zw.n2d

 

Ensino EAD abre novas oportunidades para brasileiros

A procura por cursos por educação a distância (EAD) não para de crescer no Brasil.  Segundo o Censo da Educação Superior de 2016 do Ministério da Educação (MEC), o número de matrículas em cursos a distância aproxima-se de 1,5 milhão em Universidades, somando-se a esse contingente, cerca de 2,9 milhões de alunos em Cursos Livres, conforme contabilizou o censo da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed). Em um ano apenas, de 2015 para 2016, a EAD aumentou as matrículas em 7,2%, ao passo que a educação presencial teve queda de 1,2%. O MEC projeta que em cinco anos o EAD deverá responder por metade das matrículas em cursos de formação e em cursos de aperfeiçoamento e capacitação profissional no Brasil. Mudanças recentes na legislação para o EAD prometem romper as fronteiras que ainda restam. O novo marco legal acaba com exigências do MEC para o credenciamento de instituições e abertura de cursos. Isso favorece a entrada de instituições de pequeno e médio porte num mercado hoje dominado por grandes grupos educacionais. A diversidade de opções deve se multiplicar. Aperfeiçoar-se profissionalmente ficará cada vez mais acessível.

 

Fonte: Marta Avancini 14/11/2017

https://epoca.globo.com/educacao/noticia/2017/11/os-frutos-do-ensino-distancia.html

Curso de Capacitação para a Realização do “Teste do Suor”

O Teste do Suor é um exame confirmatório, fundamental para o diagnóstico preciso e seguro de Fibrose Cística. O exame pesquisa os níveis de cloretos e eletrólitos no suor. O teste é uma exigência nos casos suspeitos de fibrose cística da triagem neonatal. É essencial que o teste do suor seja executado por pessoa com experiência, utilizando métodos padronizados internacionalmente e que Laboratórios ou Serviços que o ofereçam a esta população, sejam eficientes e que garantam o padrão de qualidade do teste.
Saiba mais em:
http://astha.com.br/cursos/#coletado_do_suor_em_recem_nascidos